CAROLINA RIBEIRO – AUTORIDADE NO ENSINO PAULISTA

3.1. CAROLINA RIBEIRO – AUTORIDADE NO ENSINO PAULISTA

Queridos leitores:

Professoras, Professores e Direção; dona Carolina ao centro; década de 1950(fotos CRE M. Covas -arquivo Caetano de campos)

Carolina Ribeiro sabia pensar e sobretudo comunicar, tendo a imprensa de São Paulo como aliada, além de colega através do Nosso Esforço, que mais que um jornal da Escola foi um jornal de escola.

Vocês encontrarão a biografia resumida de Carolina Ribeiro na primeira parte do capítulo III da tese de Ana Regina Pinheiro, além de suas idéias postas em prática ao serviço do  ideal daquela nossa mestra. 

Boa leitura;

abraços compiladores,

wilma.

13/08/12.

 

Hoje a Escola “Caetano de Campos” conta com quatro cursos: pré-primário, primário, ginásio e normal. Temos 1995 alunos, sendo 640 das classes mistas-infantis. Vá vê-los em suas atividades. Respeitosas e disciplinadas na classe, à hora dos estudos. Alegres, ruidosas no recreio. No entanto, sempre felizes. Felizes porque estudam e porque, estudando, engrandecem o Brasil.

 

O convite feito por Carolina Ribeiro a um jornalista de “A Gazeta”, em 1944, por ocasião do cinqüentenário do Edifício da Praça, fala do orgulho e da autoridade da professora primária e diretora da escola pública paulista, comprometida com a “missão” que lhe fora confiada, de educar para a sociedade e bem servir ao seu Estado. Conhecida como uma educadora rigorosa e enérgica (REIS, 1993, p.56) a escola que acredita construir é o lugar da formação cívica e moral de crianças disciplinadas que, com sua dedicação e responsabilidade, engrandecem o país.

Na cerimônia em homenagem a Caetano de Campos, em 1942, é um exemplo da propagada participação dos alunos, como protagonistas do processo educativo.

Falando costumeiramente em nome dos paulistas que reverenciavam as tradições,

  Carolina Ribeiro compartilhava com João Lourenço Rodrigues e Iracema Marques da Silveira a tese, bastante difundida à época, segundo a qual São Paulo é um Estado destinado a ser o “carrochefe” do país, cujo prestígio fora alcançado pela vocação para o trabalho e o progresso econômico e pelo vigor de suas instituições, que consolidaram sua posição no cenário nacional e, sobretudo, instauraram uma memória positiva da terra dos bandeirantes.

Estas instituições, das quais os paulistas orgulhavam-se, compuseram, desde o período da Belle époque, um importante conjunto formado por institutos destinados à pesquisa, que fomentaram o desenvolvimento econômico e instauraram uma determinada memória social paulista, com destaque para o Instituto Biológico, inaugurado em 1892; a Escola Politécnica, de 1893; o Museu Paulista, em 1895; o Instituto Butantã, de 1901. Exercendo função científica e normativa, estas instituições introduziram a prática da pesquisa incentivando a reflexão sobre as finalidades da educação, tomadas em um sentido social mais amplo do que as relativas exclusivamente à escola e ao ensino.

 

Em sua crítica ao modelo de ensino tradicional, Azevedo (1971, p. 146) identifica a existência de uma contraposição entre pesquisa e ensino no Brasil ressaltando, todavia, que as primeiras instituições “[…] destinadas ao ensino e à pesquisa científica de interesse para a produção vegetal e animal começaram a enriquecer o sistema cultural de São Paulo […].”

Fomentaria, neste Estado, uma dinâmica cultural e educacional que o país carecia como um todo, muito embora não tivessem introduzido, ainda, a associação entre ensino e pesquisa. O desenvolvimento científico, em sua visão, continuava distante do ensino ministrado nos colégios e nas faculdades, no próprio Estado de São Paulo, e permaneceria isolado de qualquer sistema educacional devido ao caráter fragmentário das iniciativas e reformas e da completa ausência de uma política de educação.

Sem desconsiderar estas contradições Monarcha (1999, p. 238) identifica uma luta política e inclui as escolas normais e os grupos escolares dentre as instituições secularizadas que se tornaram expoentes máximos da República para os paulistas:

Atuando como substitutos seculares da Igreja e do clero católicos, o ensino e o magistério primário contribuem significativamente para a vitória da República e estabilização da sociedade constituída por classes conflitantes, tecendo vínculos entre os cidadãos pobres e os representantes auto-suficientes do povo.

Este processo conflituoso, da institucionalização do ensino escolar, que se iniciara no final do século XIX com a implantação dos grupos escolares, não ocorreu, entretanto, exclusivamente no âmbito do Estado. Há indícios de que os educadores paulistas aderiram aos padrões normativos da ciência médica e da psicologia e ao ideário higienista (CUNHA, 2003), mas também fizeram circular seus pontos de vista e suas críticas fazendo valer essa mesma cultura escolar para disseminar a memória paulista.

 

Na década de 1930, Carolina Ribeiro, a educadora e diretora da Escola Primária “Caetano de Campos”, tornou-se uma das protagonistas deste grupo.

Criou estratégias para o enfrentamento das contraditórias relações com o poder público e despontou, no cenário educacional, como uma das lideranças que sustentou e deu novo significado ao movimento em defesa da tradicional escola paulista.

Paulista de Tatuí, Carolina nasceu em 28 de janeiro de 1892 e faleceu aos 90 anos, em 15 de abril de 1982, deixando importante legado para a educação na carreira que percorreu no magistério público e desbravou na hierarquia institucional, até então fechados à atuação feminina.

Em 1907, concluiu seus estudos, muito jovem, aos quinze anos, formando-se professora na Escola Complementar de Itapetininga. Iniciou sua carreira no magistério no ano seguinte, em 1908, como substituta efetiva da Escola Modelo anexa à Normal de Itapetininga e, desde então, dedicou-se ao ensino público paulista. Em 1912, tornou-se substituta efetiva e adjunta no Grupo Escolar de São Manuel, transferindo-se para a capital no ano seguinte, em 1913, para lecionar no Grupo Escolar ‘Maria José’.

Caçula de uma família de nove irmãos, todos alfabetizados, Carolina tece considerações sobre o motivo de sua escolha pelo magistério, assim como a de cinco de seus irmãos:

Raiava o século XX, quando as primeiras turmas de professores diplomados pela Escola Normal de Itapetininga, despertavam entre as famílias de minha terra, novos ideais, abrindo horizontes novos para as moças e rapazes de então. E eu, com 8 para 9 anos, passei a viver e a respirar um ambiente saturado de estudos, tipicamente normalista, em que só se falava e se pensava em função do magistério.

Antes dos 11 anos, terminado o 5º ano primário, também eu mergulhava no curso normal […] Porque eu deveria ser professora, como três irmãs e dois irmãos (FOLHETO, Centenário de nascimento, 1992, p. 18)10.

 

Nesse “ambiente tipicamente normalista” e sob a influência de seu pai, José Dionísio Ribeiro, assumiu a missão por ele incumbida, pouco antes de sua morte: “Posso morrer tranqüilo: deixo cinco filhos preparados para servir a Pátria, pela educação – “cinco Professores”, teria dito.

 

Conclui Carolina: “[…] eu teria de ser mais um, para satisfazer-lhe a vontade: – e, hoje somosperto de 30, na família” (FOLHETO, Centenário de nascimento, 1992, p. 19).

Sobre a fase inicial de sua carreira, enfatiza que sua inexperiência a impedia que vislumbrasse a extrema responsabilidade que significava assumir a carreira de professora, profissão pela qual expressa profundo compromisso e afetividade:

Eu não havia alcançado o valor da predileção de meu Pai; e não soubera ver, ainda, que o mestre é, também, o guia de almas como de inteligências pelas quais terá de responder.

Data de então, a decisiva investidura na missão mais alta e mais nobre – a de Educador. E, daí, a preocupação constante de dar o melhor que posso, até o sacrifício, para a educação da infância e da juventude de minha terra e o desejo de despertar, em todas as situações em que estive – professora primária ou secundária; diretora de Grupo Escolar, de Ginásio e Escola Normal, de suscitar, no coração de alunos e colegas, uma centelha desse entusiasmo (FOLHETO, Centenário de nascimento, 1992, p. 19).

 

Esse fio condutor que percorre sua memória recupera a palavra “entusiasmo” e a situa no universo destes educadores como uma idéia recorrente do que significava “ser professor”. Estaria acima dos interesses pessoais e seria a expressão máxima do amor à Pátria.

Assim, profundamente imbuída da missão de formar almas e inteligências, na década de 1920 inicia nova etapa em sua experiência profissional, assumindo a cadeira de português na Escola Normal do Brás, entre 1920 e 1921 e, posteriormente, a carreira de diretora, organizando o Grupo Escolar Católico “São José”, localizado no Ipiranga, de 1923 a 1931 e o Grupo Escolar Erasmo Braga (o segundo grupo escolar da Consolação), em 1932. Percurso que culminou em sua nomeação, em 1935, para dirigir a escola primária anexa ao Instituto de Educação – nova denominação da Escola Normal da Praça da República – e auxiliar Fernando de Azevedo, então diretor do Instituto11. Função na qual permaneceria por quatro anos até que os acontecimentos a levassem a acumular o cargo, dirigindo, também, a escola normal.

 

Segundo o artigo 750 do Código de Educação (Decreto 5884 de 21/04/1933) a Escola Modelo passou a denominar-se Escola Primária e deveria ser dirigida pelo professor da seção de Prática de Ensino, da Escola de professores, coadjuvado por um de seus assistentes.

 

Assim, em 18 de março de 1939, nove meses após a extinção do Instituto de Educação, Carolina Ribeiro assumiu, também, a direção da Escola Normal da Praça. Suas práticas à frente desta escola, remetem-nos a uma educadora politizada, uma mulher engajada em seu tempo. Em entrevista concedida ao “Jornal de São Paulo”, fala sobre a história da escola normal no ano do centenário do ensino normal paulista, em 1946, na posição de presidente da comissão organizadora dos eventos comemorativos. Este tema (história da escola normal paulista) e o das reformas educativas seriam os principais objetos de seus discursos.

 

No referido jornal, a coluna denominada “A escola normal hoje” apresenta seus comentários sobre as mudanças que, no seu entendimento, promoveram rupturas significativas no contexto desta escola e da sociedade na década de 1930. Carolina referia-se à criação do Instituto de Educação, em 1934, e à novidade da direção da Escola Normal Modelo ter sido delegada a uma mulher:

 Antes, porém, que se pudesse avaliar os frutos desta reforma, outra destruía os fundamentos da organização. Em 1938 é a Escola Normal que reaparece e em 1939 uma verdadeira revolução se dá na mesma Escola: pela primeira vez no Estado, a direcção da Escola normal é entregue a uma mulher (A ATUALIDADE …, 1946) 14.

 

Consciente da distinção que significou sua nomeação para a direção da Escola Normal da Capital, Carolina Ribeiro manifestou-se criticamente em relação às reformas deste período.

Refere-se, especificamente, à criação do Instituto de Educação extinto em 1938, fase em que a Escola Normal “Caetano de Campos”, transformada em sede do Instituto, passou por várias reformas de ordem pedagógica e administrativa, como a construção do terceiro pavimento do edifício-sede (conhecido como Edifício da Praça) e a nova denominação: Instituto de Educação.

 

Em 18/03/1939, foi nomeada diretora da escola normal, sob a nova denominação: “Escola ‘Caetano de Campos’”.

Pelo artigo 613 da Constituição das Leis de Ensino, a direção do Curso Primário do Instituto de Educação Caetano de Campos, como passou a chamar a escola primária, deveria ser exercida em comissão por um diretor do Grupo Escolar (artigo 1. Do Decreto 10776, de 12 de novembro de 1939) dirigido por Fernando de Azevedo, como a primeira experiência de formação de professores em nível superior no país e comentar os fatores que levaram à polêmica extinção do Instituto, ocorrida em 1938, pelo Decreto estadual nº 9.268-A, de 25/06/1938 e Decreto estadual nº 9.403, de 10/08/1938 e o retorno da Escola Normal à condição jurídica anterior, extinção esta, considerada por alguns educadores como prematura. A esse respeito consultar:

EVANGELISTA, Olinda. A formação universitária do professor – o Instituto de Educação da Universidade de São

Paulo (1934-1938). Florianópolis/SC: NUP: Cidade Futura, 2002.

 

“Caetano de Campos”, que o distinguia do curso normal, oferecendo formação para professores em nível superior. A permanência da visão crítica de Carolina Ribeiro sobre o processo educacional e as reformas que acometeram o ensino paulista nas décadas de 1930 e 1940, marcaram seus discursos e serviram de parâmetro a esta pesquisa, juntamente com sua trajetória profissional e a de outros educadores, para a compreensão sobre quais sentidos atribuíam às reformas educacionais.

 

Assim, podemos notar que, a partir da década de 1930, quando ocupou cargos de prestígio na escola normal e no ensino primário (anexo ao Instituto de Educação), compartilhando a direção da escola primária com Fernando de Azevedo, cultivou, na prática, os preceitos propostos pelas teorias e métodos renovadores do ensino, sem tampouco, abandonar o legado dos primeiros educadores republicanos. Coerente com esses princípios promoveu a renovação do mobiliário da Biblioteca Infantil e efetivou mudanças na gestão desta Biblioteca e da escola primária, em 1937.

Em sua vida pública, paralelamente aos postulados pedagógicos que incorporou nos projetos realizados na escola paulista e que deixou como seu legado para gerações futuras, essa professora e diretora de escola primária e de escola de formação de professores, participou ativamente de mobilizações de caráter regional e nacional vinculadas a movimentos cívicos e de entidades católicas ligadas à educação. Católica fervorosa era movida por um civismo cristão baseado na solidariedade, no sentimento filantrópico e na assistência social, expressos nos projetos sociais e educacionais que liderou paralelamente à sua atuação político-pedagógica na escola, no período da mais intensa renovação do ensino.

Em relação às manifestações católicas e liberais que, a priori, poderiam ser identificadascomo matrizes de pensamento único e inconciliável, essa reflexão pauta-se na pesquisa de Hilsdorf (2001, p. 70) que caracteriza, um século antes, no “tempo da modernidade liberal”, décadas de 1820 e 1830 do período pós Independência, a existência de uma espécie de “mentalidade ilustrada e liberal, de fundo racional e/ou religioso” que aglutinava, em suas lideranças de pensadores liberais e ilustrados, também civis e eclesiásticos praticando o catolicismo iluminista. A autora esclarece que este movimento foi responsável pela organização de um “acervo antiescolástico e antijesuítico”, à época, visando à formação iluminista do clero paulista.

Um século após o surgimento das primeiras lideranças católicas ilustradas temos clareza de que outras questões estão postas para a Igreja e os educadores; porém, a aproximação do objeto desta pesquisa com a reflexão da autora justifica-se por três aspectos.

Em primeiro lugar, em razão de sua perspectiva teórico-metodológica que relativiza a existência de uma suposta matriz de pensamento único, homogeneizador na Igreja Católica ou entre os liberais, que tampouco seriam capazes de controlar os anseios e o pensamento do clero, demonstrando haver mais elementos em comum entre estes dois segmentos do que se imaginava. Em segundo, analisando o movimento em sua origem a experiência torna-se um provável fator a interferer nestes postulados. Permite, por último, desenvolver a reflexão sobre a polarização identificada no campo das idéias, entre renovadores e católicos, que se opera na escola em outras dimensões e possui diferente nuances quando observada na prática e na filiação teórica e religiosa que estes grupos professam, trazendo o desafio da leitura dos documentos a partir das tramas políticas que se estabelecem na escola. Neste sentido, identificam-se, na trajetória de Carolina Ribeiro, alguns indícios da fusão entre o pensamento renovador do ensino e as concepções católicas.

Da mesma forma os intelectuais católicos, líderes que viriam a fundar a Confederação Católica Brasileira de Educação, em 1934, compartilharam ativamente, ao longo da década de 1920 e início de 1930, do mesmo espaço de debates dos renovadores do ensino, estando lado a lado nas conhecidas Conferências Nacionais de Educação e tendo na Associação Brasileira deEducação (ABE), um abrigo para a defesa de suas teses. Esta estabilidade perdurou até a IV Conferência de Educação, quando católicos e liberais colocaram-se em fronteiras opostas(CARVALHO, 1998a).

 

Carolina Ribeiro compunha um núcleo de educadores paulistas, que se auto-proclamavam católicos e anti-positivistas, simpáticos às causas católicas. Sua atuação incisiva e incansável em defesa das tradições e da escola, que outrora fora o grande símbolo do pioneirismo que representava o ensino paulista, permite-nos inferir que exerceu uma liderança cuja autoridade era respeitada, tanto por seus aliados quanto pelos adversários que enfrentava com seus discursos e a autoridade que seu cargo lhe conferia. Portanto, não podemos subestimar a importância que sua origem paulista desempenhou na legitimação de suas ações e dos cargos que ocupou.

Seguindo esta linha de raciocínio, observa-se que a professora Carolina vinculou-se a duas associações católicas. Na Liga do Professorado Católico (criada em 1919) foi membro e militante e, na Liga das Senhoras Católicas, foi professora de 1930 a 1932. Em sua produção intelectual somam-se entrevistas a jornais de grande circulação, conferências, palestras e artigos publicados em revistas de educação e de filiação católica. Foi autora de letras de hinos, como o Hino da Cruz Vermelha Brasileira, o Hino das Normalistas e de despedida dos pracinhas.

Escreveu ainda, poesias infantis, comédias e alegorias. Publicou as obras: A Educação extraescolar, Centenário do Ensino Normal – Poliantéia e O Ensino em São Paulo através da História. Recebeu o Prêmio Roquete Pinto, em 1978, como educadora emérita. Em 1982, ano de sua morte, foi homenageada, com busto esculpido em bronze pelo artista plástico, Luiz Morrone.

O monumento, instalado na Praça da República, na mesma data, trazia a seguinte inscrição:

 “homenagem do povo de São Paulo à educadora emérita”.Ato simbólico que consolidou seunome na galeria dos grandes paulistas.

Sua produção constitui, portanto, farto registro de uma memória ainda pouco estudada nas situações ritualísticas que representa e que foi capaz de produzir para manter vivo o passado glorioso de sua escola e o orgulho de serem paulistas. É um exemplo, como o citado por Burke(1992a, p. 246), “da utilização do passado, da utilização do mito na definição da identidade. […] o objetivo de tudo isso é dizer claramente quem <nós> somos e distinguir-<nos> dos <outros>” como uma espécie de resistência.

 Por inúmeras vezes, Carolina discursava no espaço escolar em nome das entidades que representava, como o “Discurso proferido na sessão de abertura da Semana da Casa do Professor em 16 de setembro de 1933”, sobre a história da Liga do Professorado Católico publicado pela Revista Anchieta, em 1934. Digna de registro é também a Conferência já mencionada: O ensino através da história, proferida na Biblioteca Municipal de São Paulo, a convite do Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura  qualidade de Diretora do Instituto de Educação “Caetano de Campos”. Na oportunidade fez um balanço do ensino público paulista, que resultou em publicação especial como Separata do “IV centenário da Fundação da Cidade de São Paulo” pela Gráfica Municipal, em 1954.

Em 1934, foi redatora da “Revista Anchieta” juntamente com o educador João Lourenço Rodrigues, por dois números apenas, pois a publicação foi interrompida para dar lugar às estratégias encabeçadas pela nascente Confederação Católica (VICENTINI, 1997).

 

Dirigiu, ainda, os serviços de assistência às famílias dos combatentes da revolução de 1932 e incentivou, na escola primária, as campanhas contra a tuberculose, os serviços de atendimento às crianças  carentes e voltados à orientação às suas famílias, como o Serviço do Lanche Sadio e o Centro de Puericultura, denominados “instituições auxiliares da escola”.

Oradora reconhecida, no cargo de diretora da Escola Primária e, posteriormente, da Escola Normal “Caetano de Campos”, em uma “simples preleção” Carolina Ribeiro reunia “algumas centenas” de pais. Como ocorreu em 1942, em discurso proferido sob o título:

“Combate ao indiferentismo e ao otimismo exagerado”

 e noticiado, pelo Jornal Gazeta. Coerente com os propósitos de sua época, de uma escola de formação integral “[…] que cultiva a inteligência, o coração e as mãos” (CARNEIRO LEÃO apud CARVALHO, 2003 p. 239) e, tendo em vista as circunstâncias da guerra, nesta ocasião, falou aos pais sobre procedimentos e obrigações na educação dos filhos. Em suas palavras:

 

A criança […] deve encontrar em seu lar uma continuação da escola e ouvir dos pais os mesmos ensinamentos que recebe dos professores, assim como estes se esforçam para que ela encontre na escola também a continuação do lar.

São dois ambientes que se completam, visando um único objetivo comum: a formação da mentalidade infantil, formação que não pode ser quebrada ou dificultada pela disparidade e pela divergência de ensinamentos (COMBATE…, 1942).

 

Engajada no debate nacional sobre os efeitos sociais da guerra, do alto da autoridade e prestígio que seu cargo lhe conferia, estava empenhada em manter a ordem combatendo o comportamento indiferente dos pais, bem como o seu oposto, “o otimismo exagerado que geram a desordem e a instabilidade” (COMBATE…, 1942).

Nesse discurso, corrobora com a tese segundo a qual a via disponível à necessária coesão social, que desenvolveria os princípios cívicos e nacionais como também os valores morais da sociedade, era a escola. Porém, ao afirmar que a escola e a família eram instituições que se completavam em busca de objetivos comuns na educação das crianças, inverteu a velha lógica que serviu, durante muito tempo, de alicerce à escola moderna, segundo a qual, essa instituição seria a continuadora da família.

Em seus discursos, incorpora a superioridade do saber médico-científico em relação ao da família, de onde emanaria o conhecimento necessário à criança, a ser ensinado pela instituição escolar visando ao desenvolvimento de um novo modelo, idealizado, de família e de criança. Esta concepção fundamentava-se, principalmente, na biologia e na medicina e fez história nas práticas educativas escolares ao ditar as regras higiênicas e de comportamento moral que pautaram asinstituições educativas e as políticas sociais e de reurbanização das cidades, desde o século XIX no Brasil.

 

Segundo Cunha (2003, p. 450) “a escola jamais foi norteada pelos mesmos princípios educacionais vigentes no lar. Paulatinamente, ao longo da história, foi incorporando saberes

científicos em oposição aos saberes domésticos tradicionais”.

Coerente com o discurso político e científico à época, em seu entendimento, pais e escola deveriam ser uníssonos e aliados intransigentes na defesa daqueles princípios e no enfrentamento da nova situação:

 

A guerra está em toda parte, nas ruas e nos lares. A aviação não conhece mais distâncias. E, por isso mesmo, não é mais suficiente a um povo o preparo militar, desde que ele próprio não esteja moralmente preparado para sofrer as conseqüências de uma luta como a que presenciamos e em que estamos hoje empenhados. […] O Brasil está em guerra. Cada brasileiro está mobilizado. A Legião Brasileira de Assistência chama para as suas fileiras todas as mulheres, assim como todos os homens que ainda não foram convocados para o serviço militar. Há muito o que fazer e cada homem, cada mulher do Brasil, na medida de suas possibilidades, pode dar sua contribuição à Pátria. Uma hora por dia, um dia por mês, mas com entusiasmo e boa vontade, significa muito pouco para cada um, mas muito para o Brasil. Essa pequena parcela de cooperação ajudará a construir a grandeza da nossa pátria e nos dará a certeza da vitória (COMBATE…, 1942).

 

O sentimento cívico-nacionalista está presente em seu discurso, tanto quanto estava inscrito no debate político e educacional à época. Segundo Carvalho (1989), este era um ponto de consenso entre os diferentes grupos abrigados no amplo debate educacional que resultou das conhecidas convenções nacionais, promovidas pela Associação Brasileira de Educação (ABE).

 

Segundo a autora, Lourenço Filho (1928, p.10 apud CARVALHO, 1989, p. 33), quando se referia “a uniformização do ensino no Brasil”, no Livro Educação defendia que: “Cabia à escola a ‘homogeneização necessária dos indivíduos como membros de uma comunhão nacional’”. No entanto, a defesa de pontos em comum não os identificava como um grupo homogêneo, ressalta a autora, pois a disputa no âmbito doutrinário da pedagogia passou a ser prioritária.

Carolina não economizava esforços pessoais e recursos humanos e materiais ao seu alcance para a difusão de valores como cooperação, entusiasmo e boa vontade. Princípios que compunham tanto o ideário escolanovista/renovador, quanto à ideologia cívico-nacionalista do período. Exemplo disso é o fato de que uma “simples preleção” para pais de alunos ganhava relevância nas matérias de jornais paulistas, de grande circulação, atentos que estavam aos chamados cívicos da educadora da escola primária. Dado importante para considerarmos o lugar social da Escola “Caetano de Campos” representada por sua diretora. A repercussão de seus discursos na chamada grande imprensa é outro indicativo de sua liderança e da importância da professora primária para a sociedade paulista, à época. Pode ser atribuída ao seu intenso envolvimento com a escola, de maneira geral, nas causas que interessavam à conservadora sociedade paulista, como a campanha nacionalista e a formação higiênica, moral e cívica do povo. Na mencionada palestra, por exemplo, falou em nome da Legião Brasileira de Assistência, sobre a responsabilidade de todos perante a iminência da participação do país na guerra.

Incansável defensora do ensino paulista, Carolina também é lembrada pelas qualidades de uma gestora que envolvia a todos (professores, alunos, servidores públicos, intelectuais, pais e jornalistas) em seus projetos. Dentre os inúmeros relatos, registrados em 1955, na homenagem organizada por alunos e professores pelo título de “servidor emérito”, que recebera como reconhecimento pelos valiosos serviços prestados à causa educacional, em São Paulo, concedido pelo então Governador Jânio Quadros, o depoimento da escriturária Edith Prado foi selecionado pela narrativa singela e original de suas reminiscências, distante de chavões e frases de efeito, ao gosto destas ocasiões:

Revi hoje o meu primeiro título de nomeação. Era para ocupar o cargo de

escriturário na Secretaria do Instituto.

Lembrei-me, então, de 1940.

 

A antiga aluna, que aqui havia entrado aos 4 anos de idade, para o Jardim da Infância, recebia satisfeita e agradecida, das mãos de D. Carolina, o seu primeiro cargo público. E, lembrei-me também, da escola daquele tempo. Do dia em que D. Carolina incumbiu-me de ensaiar crianças da escola primária para a festa do Dia Pan-Americano. Mas, porque eu? Eu era escrituraria! Eu não cantava, não dançava, não tocava piano… Mas… fui eu mesma. E a festa saiu.

Saiu com canto, com dança, com tudo!

E, em 1946, no aniversário da escola? Todos os alunos e os professores iam expor os seus trabalhos. A secretaria parece que nada tinha para mostrar. Mas, nós pensamos: “Não seria bom que todos pudessem ver o que a secretaria faz?”.

E foi assim que a secretaria também teve sua exposição. E bem bonita! Foi trabalho totalmente espontâneo dos seus funcionários.

E por falar em secretaria, eu me lembrei também que, quando apurávamos as médias dos alunos do ginásio, nós encontrávamos resultados como este: 4ª série – 50 alunos matriculados, 50 alunos aprovados. Ninguém para 2ª época!

Esse era o Instituto de D. Carolina! Nele se aceitava qualquer tarefa, desde que para executá-la tivéssemos sido convocados. Nele havia vida, havia alegria, havia amizade, havia responsabilidade, havia compreensão e cooperação.

E, foi de tudo isso que eu me lembrei ao rever, hoje, o meu primeiro título de nomeação (PRADO, 1955).

 

Sem a pretensão de filtrar as palavras da escriturária Edith, mas de considerá-las a partir do lugar que ocupava na escola, salta aos olhos a euforia que manifesta com a oportunidade de envolver-se nos projetos pedagógicos. A autora chama a atenção, ainda, pela atualidade dos parâmetros que utiliza para avaliar o passado, para ela, tão presente, de sua participação nas dinâmicas pedagógicas e nos eventos festivos, e da sua relação com a Diretora Carolina Ribeiro e a própria gestão da escola. Estes documentos são pistas importantes que mobilizam as subjetividades presentes nas tramas delicadas da memória, e permitem-nos identificar regularidades, traçar o perfil desta educadora, aceitando o desafio de compreendê-la na manifestação de seu discurso, significado de uma trajetória que é, ao mesmo tempo, pessoal e singular, mas também profissional e coletiva.

 

Segundo Bourdieu (1996) o relato varia de acordo com a situação de investigação na qual se apresenta, que inclui a relação entre investigador e investigado e a preocupação com a cronologia, além da experiência e participação em outras situações de entrevista. Portanto, seu conteúdo não é estático, passivo, frio, mas ressignficado pelo sujeito e pelas relações objetivas.

Por isso, ao abordar os sentidos da noção de trajetória, alerta:

Tentar compreender uma vida como uma série única e por si suficiente de acontecimentos sucessivos, sem outro vínculo que não a associação a um “sujeito” cuja constância certamente não é senão aquela de um nome próprio, é quase tão absurdo quanto tentar explicar a razão de um trajeto no metrô sem levar em conta a estrutura da rede, isto é, a matriz das relações objetivas entre as diferentes estações (BOURDIEU, 1996, P. 189).

 

Vemos aqui, portanto, características de um percurso humanizado que entrelaça discurso e práticas, nem sempre convergentes.

 

About these ads
Esse post foi publicado em escola vanguardeira TESE de A.R. Pinheiro.. Bookmark o link permanente.

2 respostas para CAROLINA RIBEIRO – AUTORIDADE NO ENSINO PAULISTA

  1. Marcia Leite disse:

    Sou voluntária na Liga do Professorado Católico, fundado em 1919 pelo Professora Carolina Ribeiro. E tenho buscado a história de nossa fundadora, e confesso que quanto mais descubro sobre ela, mais me apaixono. Sua historia, seus ideais, seu modo de vida, seu amor pelo próximo são admiráveis. Me sinto honrada em poder contribuir com a continuidade de seu trabalho.

    • Somos muitas e muitos; estou compilando as publicações do jornal OESP desde 1894 sobre o I.E. Caetano de Campos, mas aindo me encontro em 1914…
      Em breve(espero viver até terminar o trabalho) chegarei aos anos da ilustre educadora.
      Abraços, wilma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s