Scarlett Marton e Marina Ribeiro Leite.

Para os caetanistas de 1962 e 63, Marina Ribeiro Leite é a conhecida professora de português indicada por Raul Schwinden para as aulas do ginasial do IECC.
Para as alunas daquela época, Scarlett Morton é uma menina de onze anos que acaba de passar pelo concurso de admissão ao ginasial, provavelmente com uma excelente nota final.
E depois?
Depois Marina seguiu para o Colégio de Aplicação, veio para Paris para fazer seus estudos e tornar-se doutora e a Scarlett, foi crescendo, crescendo até que entrou para Filosofia da USP e não parou mais.
Scarlett continuou os estudos em Paris, tanto na Sorbonne como na Escola Normal Superior, que não tem nada a ver com o que os brasileiros chamam de “escola Normal” e que aqui é um antro onde a nata da elite intelectual se revigora…
Jean Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Gilles Deleuse, Roland Barthes, foram “alunos” deste estabelecimento…
Ora, nossa ex colega é hoje livre docente na Faculdade de Filosifia da USP e tem no seu C.V. vinte e três livros publicados, a maioria versando sobre Nietzsche, pois ela é a maior especialista brasileira sobre esse autor.
No seu livro “A irrecusável busca de sentido”(1)-(aqui não possuo as itálicas), na página 30, podemos ler o seguinte, no itém “formação”:

“Transferir-me para a Caetano de Campos aos onze anos pareceu-me natural, em que pese o fato de ter de prestar um exame de ingresso e, tão cedo, precisar pôr-me à prova de maneira cabal. Disseram-me que a Caetano era uma das melhores escolas da cidade; isso me bastou.* De fato, lá encontrei excelentes professores, dentre eles: Marina Ribeiro Leite. Foi ela quem me revelou a riqueza da nossa língua e a sua estrutura. Ao explicar as orações coordenadas e subordinadas, mostrou-me a diferença entre o raciocínio associativo e a pergunta pelas causas.”

*nota 17: Mal sabia que a Faculdade de Filosofia, de Ciências e Letras, que viria a ser tão determinante na minha vida, ocupara por quase uma década o terceiro andar da Praça da República.

Para parafrasear o presidente se referindo ao FMI…”Gente, é muito chique a gente exportar talentos como este pelo mundo!”
A Scarlett publicou no Brasil, mas seus livros estão traduzidos no mundo todo; pesquisem!

wilma(29/10/2010)

(1) A irrecusável busca de sentido; Ateliê Editorial; Ed. Unijuí; vol. I; 2004.

Esse post foi publicado em Atualidades, Expressão livre: textos dos leitores, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Scarlett Marton e Marina Ribeiro Leite.

  1. Marina Ribeiro Leite disse:

    Obrigada pela homenagem, Wilma. Somos de gerações privilegiadas que usufruíram de uma educação humanística de qualidade, capaz de criar vínculos eternos de admiração, respeito e amizade entre alunos e professores. Prova disso foi o reencontro caloroso no almoço de confraternização da turma de 1965, para muitos de nós 45 anos depois do último encontro!
    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s