Itaci não é Itajaci e no entanto tem uma pedra no meio do caminho…No meio do caminho tem uma pedra.

Santos, outubro de 1988.

Às “Caetanistas” saudosas

Não sei se foi há três ou quatro anos…
Estive visitando o antigo prédio em que
estudamos, agora Secretaria de Educação.
Dedico este protesto a vocês, colegas, amigas, personagens
de minha infância e juventude que partilharão, certamente, de
meus sentimentos e saberão compreendê-los.

Itaci da Cunha Caldeira Vilela Alves Costa

“ SALVE ESCOLA QUE TANTO ADORAMOS “

Foi na primeira vez que tomei a linha Leste-Oeste do Metrô. Ia ao bairro de Santa Cecília, mas não resisti à murmurante voz anunciando a Estação República… Num átimo vi-me fora do trem e da Estação.
Da minha praça, onde, pequena ainda, dava de comer aos patos e peixinhos do lago, pouco havia. Uma verdadeira fauna subumana substituíra os comerciários e aposentados que ali passeavam na hora do almoço.
Quase voltei atrás, não fosse a visão do velho “ Caetano “ que, como quando ali cheguei pela primeira vez, agarrada a mão de meu pai, estendia-me meus braços amigos. Sua grande porta principal era como um imenso sorriso acolhedor naquele rosto com tantos “olhos”.
Atravessei a avenida, hipnotizada pela magia da volta ao lar, subi a escadaria, sentindo-me a menina de outrora, quase esperando que alguém me barrasse à entrada, pois “os alunos devem entrar pelas portas laterais”. Inconscientemente, baixei os olhos para minha roupa, procurando ver se meu uniforme estava em ordem, se as meias não estavam, como sempre, caindo… Mas não. Estava de jeans, apenas uma professora a mais.
Como naquele primeiro dia de aula, tomei o corredor da direita no “primeiro andar” – nunca entendi porque chamavam o térreo de primeiro andar – em direção à sala que fora, na época, de Da. Coryntha e da Biblioteca do primário, onde reinava, então Da. Iracema Silveira. Pelos corredores, quase ninguém. Era hora do almoço. Por algumas portas abertas vi uns poucos funcionários trabalhando e outros “funcionariando”, estes, a maioria. Quase podia “ver” Da. Iracema sorrindo, esperando minha visita da leitora assídua para mostrar a mais nova aquisição: um “Simbad, o marujo”, um “Ivanhoe” com ilustrações. Não. Ela não estava ali. Nem Da. Deolinda, minha professora nas terceira e quarta séries, de quem recebi carinho, compreensão e estímulo numa época em que precisava deles. Nunca lhe agradeci, pois, criança, não soube o valor do tesouro que dela recebi. Entretanto, enquanto lecionei, prestei-lhe uma homenagem diária, seguindo seu exemplo de amor e dedicação ao Magistério.
Voltei sobre meus passos e subi os gastos degraus da escadaria central. Ainda me sentindo com dez anos, tinha a consciência culpada – “os alunos devem subir pelas escadas laterais” – e “voei” até o terceiro andar, onde passei quatro anos da minha vida que, contados agora, perfazem quase um décimo do total.
Pelo largo corredor vazio passeamos, eu e minha saudade, revivendo a alegria e despreocupação, “revendo” antigas colegas, muitas das quais jamais soube o paradeiro. Tantas amigas, tanta saudade: Ana Maria Giorgio, Ana Tereza, Carmem Lúcia, Hilda, Marisa Carla, Lígia Chacon, Solange, Maria Angela, Nina Maria, Marilda, Dulce, Gisela, Vera, Maria Lúcia, Mariana…Tantas que me lembro ainda…Todas meninas em minha memória, como quando escorregávamos pelo corredor, fazíamos “guerra d’água” – lembra-se Marisa? – e tentávamos fugir à sanha de Da. Guiomar, a Orientadora.
Parada ali, eu tinha treze anos. Olhos fechados, revia meus professores, um a um, pelos corredores, saindo das salas. Alguns sérios, outros sorridentes, todos reunidos: Da. Antonieta Paula Souza, Joel, Raul Schwiden, da. Sylvia, “Mme. Marie Julie”, Vizioly, Biral, Adelaide Acaricy, – mais amiga que professora – Rui Cartolano, que sempre me dizia “Caldeira não cante que estraga o coro” – e nem sabe que nunca mais consegui cantar – Da. Amélia, Da. Hernestina, as melhores inspetoras de alunos do mundo.
Perdida no turbilhão de minhas lembranças, nem sei quanto tempo ali fiquei. Quando dei por mim o movimento no corredor era maior. Devia ter acabado a hora do almoço.
Desci ao segundo andar. Deixei-o por último, pois, se nos primeiro e terceiro andar havia passado minha infância, foi no segundo andar que passei minha juventude.
Fui direto ao “ cantinho “ onde ficavam as classe do Normal. Já desencantada, não entrei em nenhuma sala…Eram salas apenas…Vazias de alma. As pessoas por mim passavam como personagens excedentes das novelas televisivas: nem elas sabiam porque estavam ali. Não era seu lugar. Ali deveriam estar os personagens principais daquele prédio e da parte que sou: Dr. Brólio, Da. Phrynéia, o Maestro da Chiara, Da. Palu, Da. Paula, Da. Maria José. Aquele era o lugar onde fora buscar, mocinhas, quase meninas, Marina, Eliana(as duas), Rosely, Marlene, (também as duas), Raquel, Clara, Vólia, Sandra, Célia, Araê, Leitz, Maria Angêlica, Hebe, Bia…todas de uniforme azul e branco. Lá, eu fora para me encontrar, mas eu também não estava ali. Não havia mais nada nem nimguém.
Como tantas vezes fiz em anos passados, encostei-me à janela, fitando o pátio para observar as crianças –a quem secretamente invejava – nas suas eternas brincadeiras de roda. Mas…o pátio, tão bonito agora, estava vazio de vozes, de brincadeiras e crianças para aproveitar a nova beleza.
Foi só então, quando a melancolia me atingiu fisicamente, fazendo arderem-me os olhos, no esforço de não chorar, que percebi o quanto estivera enganada. Quando imaginei que o velho prédio estendia-me os braços, não era , como pensei , um gesto de boas-vindas. Ele me pedia socorro. O antigo “Templo do Bem e do Saber” estava morrendo. Com suas crianças, se fora sua alma. O silêncio que reina em seus corredores não se deve ao fato de estarem de todos estarem trabalhando. É o silêncio respeitoso dos que velam por um moribundo.
Quando saí, começava a chover. Antes de entrar na estação, voltei-me uma vez mais e vi lágrimas correrem pelos “olhos” de vidro do velho prédio do “Caetano de Campos”.
Se era para matarem-no assim, aos poucos esvaziando-lhe a “alma”, desvirtuando os fins para que foi construído, negando-lhe o cumprimento do dever sagrado de acolher os pequeninos, garantindo-lhes “brilhante porvir”, produzindo neles o germe do Amor pela Pátria, por que não o deixaram cair quando da construção do Metrô?
Na praça da República, agora, ergue-se o fantasma daquilo que foi o Instituto de Educação “Caetano de Campos”. Assassinado por motivo torpe, de modo cruel, em nome de um progresso discutível, por alguém que se esqueceu, ou nunca soube, que o “progresso se funda no ensino e no ensino o Brasil se fará”.
Ali não se cantará mais o hino de amor ao Brasil.
Ah, velho “Caetano”! Viverás sim, viverás para sempre… Na memória de todos que acolheste e que de teu seio fecundo sorveram a Ciência e a Virtude…

Postado em 24 de março de 2011.

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Itaci não é Itajaci e no entanto tem uma pedra no meio do caminho…No meio do caminho tem uma pedra.

  1. Maria Lúcia de França Camargo disse:

    Itaci, boa tarde

    Acabei de ler seu comentário… ou sua tristeza?
    Quase cheguei às lágrimas e fiquei toda arrepiada, foi como seu estivesse andando por aqueles corredores, subindo as escadas, entrando e saindo por aquelas enormes portas e ainda esperando a bronca por estar usando a entrada principal, entrando nas salas de aula, encontrando as colegas, esperando pelos professores, brincando no pátio ainda menina e já adolescente, conversando em grupinhos, contando as novidades, trocando lições, estudando para as provas, e, olhando tudo com seus olhos, sentindo a alegria da esperança e a tristeza da solidão.
    Você conseguiu escrever, tudo que me vai n’alma, quando me recordo daqueles anos, a saudade de um tempo que se foi, que muitos aproveitaram, mas que muitos jamais terão a oportunidade de conhecer.
    São anos que quem viveu, jamais esquecerá, e quem não viveu, jamais saberá o que foram, o que nos deram, os homens e mulheres que formaram, com carater, educação, respeito, pois tudo nos foi passado pelos excelentes professores e orientadores que tivemos e com certeza, seus passos e seus exemplos procuramos seguir e transmitir às gerações que por nossas mãos passaram, para mim, nestes útimos 40 anos.
    Passei pela nossa querida “Caetano”, talvez alguns anos antes de você, estive por lá entre 1951 e 1969, desde o 1* ano primário até parar de lecionar na pré-escola.
    Não me conformo até hoje, com o que fizeram com nossa Caetano, acredito que alguma coisa deva ser feita para se tentar, trazê-la de volta, para dar à esta nova geração, a oportunidade que tivemos de ensino, educação, amor, que nos faz manter até hoje, este sentimento de saudade.
    Beijos desta caetanista que muito se orgulha do que é.
    Lu Camargo

    • Itaci da Cunha Caldeira Vilela Alves Costa disse:

      Obrigada, Lu.
      Escrevi este texto para uma reunião de turma, em 88, organizada por uma colega e grande amiga, Vera Lúcia Leitão, que é jornalista, mas creio que já se aposentou. À época, recebi algumas críticas, pois, ainda que Secretaria, o prédio estava de pé. Não desmereço o esforço feito nesse sentido, mas, minha vontade era tornar a ouvir o ruído de crianças, sentir no ar o cheiro de lápis recém apontados e até do molho do cachorro-quente que exalava do “bar”.
      Estive lá de 1957 até 1966, ao terminar o Normal. Lembro-me de cada professor, de cada funcionário, como um amigo que o tempo levou e a saudade mescla-se a muitas emoções, quando relembro a época, nossos “Anos Dourados”.
      Recebi muito carinho, fiz muitas amizades, ali. Meu sonho era que mais gerações pudessem usufruir daquele convívio sadio e inflar o peito de orgulho à simples menção do nome do Caetano de Campos, como nós.
      Beijos!
      Itaci

  2. Itajaci Caldeira disse:

    Mana

    Embora já conhecesse o texto, a emoção me abraçou e eu tive de conter as lágrimas mais uma vez. Por favor, não faça mais isso comigo!

    bjs

    Sua irmã

    • Itaci da Cunha Caldeira Vilela Alves Costa disse:

      Tajinha,
      Pensei que tivesse esgotado todo seu estoque de lágrimas ao ler o livro de Wilma. Eu ficarei, pelo menos, uns dois anos sem chorar.
      Beijos!
      Itaci

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s