Crônica para as caetanistas Itaci e Itajaci Caldeira.

OS ANOS QUE NÃO PASSARAM…182- c-1ª série A - 1961 maior

Queridos leitores;

O blog é um belo meio de comunicação quando faz o reencontro entre aqueles que tiveram um laço, desfeito pelo tempo , esquecido na gaveta ou pendurado na parede.

A escritora WALDIZIA MONIZ, que inclusive deixou um lindo testemunho no CRE M. Covas, sobre a sua vida como professora, não é uma caetanista de fato, mas viveu entre os Caldeira, onde encontramos duas contemporâneas – ITACI e ITAJACI, seu irmão também caetanista e o nosso professor de canto orfeônico.

Naquela época o Cambuci era um bairro seleto, o bonde ia até lá e, na rua Sinimbu havia um ar de felicidade; anos mais tarde fiquei sabendo que alguns membros do clã não colaboraram para a felicidade total das gêmeas, até atrapalharam-lhe a vida, mas isso pertence a uma outra crônica, deixada  para outro dia.

Segue o lindo texto da Waldizia, em homenagem às nossas colegas: OS ANOS QUE NÃO PASSARAM…

Nem toquei a campainha quando cheguei, fui logo batendo palmas.
Um cão me atendeu em primeiro lugar para logo a seguir ceder espaço para uma delas….
Quem seria? Itaci? Itajaci? Ela já apontou rindo fazendo aquela cara que mostrava que o
tempo havia estacionado em 1958.
A outra figura botou o corpo para fora da janela………Incrivel….tão iguais……..e tão diferentes….
Os abraços foram inúmeros, apertados, sofridos, felizes onde se podia sentir corações palpitando
através de peitos ansiosos e plenos da mais ingênua alegria.
Saudade…….quem disse que a gente não pode matar alguma coisa?? Saudade se mata e bem matada!!!
Ali na sala da frente da casa, brotaram as reminiscências…….As avós foram sem dúvida o assunto
relevante, com relatos de ambas fritando bifes na grande cozinha lá da rua Sinimbu.
Vovó adorava cozinhar, Antoninha se deliciava com os cheiros dos mais variados temperos.
Tinha também o dia especial para os assados, onde panetones e bolos foram devidamente
saboreados por todo o pessoal da casa.
Em meio à comilança, Ceci, ( a mãe das meninas Caldeira), desfiava os acontecimentos
familiares mais recentes e outros nem tanto. Sabem quem nasceu?…….Alguém foi ao enterro
do Felinto Guedes Almeida? ……O casamento da Vivi Castanheira está ” indo para o “brejo”…
O pessoal ia se aproximando naquela curiosidade insana que domina o ser humano.
Os momentos que revivi sentada na sala das meninas Caldeira serviram como antídoto
para a alma. Eu as olhava tão envolvidas em relatar fatos que eu havia perdido…….
Acompanhava seus trejeitos………suas boquinhas  de coração idênticas à do querido
José Caldeira, um ser humano incomparável.
Quando deixei a casa, carreguei comigo a sensação de estar realmente em outro tempo,
em outro lugar…..
Quase fui procurar o bonde para voltar!!!!!!!

WALDIZIA MONIZ – AMIGA DE ITACI E ITAJACI CALDEIRA EX ALUNAS DA CAETANO DE CAMPOS..

*Itajaci, praticamente no cntro da foto, a 6a em pé, da direita para a esquerda.

Esse post foi publicado em Atualidades, Expressão livre: textos dos leitores. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Crônica para as caetanistas Itaci e Itajaci Caldeira.

  1. Itajaci Caldeira disse:

    Bons tempos mesmo, Waldizia. Esse bonde eu também quero encontrar!
    beijos
    Itajaci

  2. PRESTE ATENÇÃO, QUERIDA!!!NÓS ESTAMOS NELE, OLHOS COLADOS NOS ANÚNCIOS, OUVIDOS ATENTOS AO TILINTAR DAS MOEDAS DO COBRADOR, AO BARULHO RASCANTE DAS RODAS NOS TRILHOS, VENTO BATENDO NA CARA, NÁDEGAS DOLORIDAS NOS ASSENTOS DE MADEIRA, LIVROS NO COLO, ESPERANDO A PRÓXIMA PARADA….ESPERANDO….ESPERANDO……..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s