iecc-memórias -CCXXIII – Por falar nele… Professor José Feliciano de Oliveira!

Estação Metereológica e Observatório- prof. José Feliciano de Oliveira

Do ponto de vista oficial, pode-se dizer que em São Paulo a Astronomia nasceu na Escola Politécnica fundada em 1893 e instalada em 1894, porém oficialmente também pode-se dizer num caráter mais modesto foi iniciado na Escola Normal, no Curso de Astronomia ministrado pelo professor José Feliciano de Oliveira.

José Feliciano de Oliveira nasceu em Jundiaí, São Paulo, no dia 6 de março de 1868. Formado em 1887 pela Escola Normal de São Paulo, foi nomeado professor primário em 1889. Em 1893 ingressou no corpo docente da Escola Normal e , entre os anos de 1894 e 1895, quando o currículo desta passou por uma reforma, aumentando a duração do curso normal de 3 para 4 anos, incluindo a cadeira de Astronomia e Mecânica, sua docência foi entregue a José Feliciano. Além destas matérias foi professor de matemática , tendo também lecionado português, latim e francês.Até mesmo a direção da Escola Normal foi durante algus anos confiada à sua indiscutível competência.
Para se ter uma idéia da importância deste professor na Escola Normal, basta dizer que quando em 2 de agosto de 1894 na inauguração do prédio na Praça da República somente 4 pessoas discursaram: O Presidente do Estado Bernardino de Campos, o secretário do Interior Cesário Motta Jr, o diretor da Escola Normal Gabriel Prestes e o Prof. José Feliciano.
Colaborou como jornalista no Correio Paulistano e tinha somente 24 anos quando, em 1888, sob a direção de Rangel Pestana colaborou com o Jornal A província de São Paulo, que um ano depois convertería-se no  O Estado de São Paulo.
Foi um dos fundadores da Academia Paulista de Letras e membro da Societé Astronomique de France (SAF). Em 1889-1902, publicou um livro didático sobre Astronomia: “Cometas, Estrelas Cadentes e Bólidos “e construiu com seus próprios recursos um pequeno observatório astronômico em sua residência, para aulas práticas de seus alunos.

 professor José Feliciano.

prof. José Feliciano em 1895, em sua residência

 

Na própria Escola Normal da Praça, já funcionava desde 1895, a Estação Metereológica Central, da Comissão Geográfica do Estado de São Paulo e havia sido introduzido, o ensino prático da metereologia no terceiro ano do curso masculino da Escola.

 estaçao

                        Prédio da Escola, no alto, à direita Estação Metereológica

 

Apesar de seus esforços, tudo o que conseguiu por parte do governo foi uma pequena luneta astronômica, um globo celeste e uma esfera armilar, sem ter, entretanto um local adequado para as observações.Procurava ilustrar as aulas observando o céu, com exercícios feitos à noite, mas nem sempre as condições eram favoráveis devido à neblina.Se as primeiras observações podem e devem ser feitas a olho nu, um aperfeiçoamento das noções assim adquiridas requer mais tarde o uso de instrumentos adequados, que permitam uma exploração mais detalhada do espaço celeste. Não encontrando apoio no governo para construir um pequeno observatório para seus alunos, o professor Feliciano não recuou diante dessa dificuldade, nem mesmo tendo que fazer um sacrifício pessoal.

 Estava construindo uma casa para residência na Rua D. Antônia de Queiroz, n*49, próxima à rua da Consolação e decidiu construir uma torre ao lado, que de certo modo comprometia a estética da obra,aumentando também o custo da construção. Completada a construção da torre, não havia nem cúpula, nem instrumento para nela ser instalado. Aconteceu então uma estranha coincidência.

 Um outro entusiasta da astronomia, o professor João Lourenço Rodrigues, formado pela Escola Normal , em 1896 , tinha sido aluno de astronomia do prof. Feliciano na cadeira de Astronomia e Mecânica e possuía uma luneta com 135mm de abertura, que na época valia cinco contos de réis, sem ter no entanto um local adequado para sua instalação.  Em entendimentos com o prof. Feliciano, este mandou construir a cúpula giratória e assentada a cúpula, dirigiu pessoalmente o assentamento da equatorial cedida pelo prof. João Lourenço.
Segundo uma declaração de João Lourenço na aula inaugural: “Ele tinha uma torre sem luneta e eu uma luneta sem torre”.
Um mês depois São Paulo ostentava ali pelos lados da Consolação um observatório astronômico, que embora modesto era melhor instalado, por ser um ponto mais alto, que o observatório da Ponte Grande.

 

Depois de todo este esforço, porém viu que seu sonho de dar aulas em tal observatório não iria adiante, pois o governo supriu em seguida a cadeira de Astronomia , incorporando a matéria na Cadeira de Geografia e a Mecânica anexa à cadeira de Física nomeando-o para professor na cadeira de Geometria.de tanto desgosto arrumou suas malas e partiu para a França, retornando apenas em 1958. Faleceu em 1962, aos 94 anos de idade.

O pequeno observatório se manteve inteiro até 1927.

“Na década de 1930, no ginásio eram dadas aulas de Astronomia, na cadeira de Geografia e eu mesma, na década de 1970, na quinta série, também tive estas aulas.”

Fonte:

Marques dos Santos, Paulo- Instituto Astronômico e Geofísico da USP- memória sobre sua formação e evolução.
Poliantéia Comemorativa-pg. 99

Cre Mario Covas

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Escola "Caetano de Campos" : escola paulista. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s