Dia-a-dia.

Dia carregado: bem cedinho estive na bela exposição dos Arquivos do Estado para a qual escreverei uma resenha assim que tiver tempo para isso, ainda nesta semana; alguns minutos mais tarde, tivemos, minha amiga e eu, um encontro com Afonso Luz e Carla Maestrini.

Depois, ida à igreja, ao lado da antiga Escola Politécnica e almoço com a amiga em questão, Cleusa Regina Di Fonzo, na rua Monte Alegre.

Em seguida, deslocamo-nos até a Livraria Cortez* para acertarmos os detalhes do lançamento do  “Crime e Castigo na Escola Caetano de Campos”com o sr. Samuel Figueiredo. Não se esqueçam que tudo é previsto para o dia 02 de dezembro que vem!conheca_img_001

Em casa, respondo às mensagens e envio outras.

Estou otimista e, desejo, do fundo do meu coração,  que vocês  apoiem esses projetos que chegam dos céus e brilham sobre os caminhos por onde passo.

Amanhã, tomo um café com a Myrtes Suplicy e, convidei Rosa Biral e Maria L. Camargo; coisa de gente da mesma época…

Abraços felizes,

wilma.

 

*Livraria Cortez: rua Bartira, 317, esquina com a rua Monte Alegre, ao lado do TUCA; basta atravessar a rua!

Anúncios
Esse post foi publicado em Quem sou eu?. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Dia-a-dia.

  1. JOÃO CARLOS VENEGAS FALSETTI disse:

    Oi, Wilma, tua passagem pelo Bom Retiro mexeu com meu passado. Morei durante minha infância, adolescência, até meus 24 anos, no Bairro da Luz, ali ao lado. Parte do curso na Poli fiz ali naqueles prédios, e minha turma da Civil da foi a última a ter aula na “Poli Velha” em 1971, quando os prédios foram entregues à FATEC (meu último ano, em 72, foi cursado na Cidade Universitária). O prédio que você esteve, hoje ocupado pelo Arquivo Municipal, era do Laboratório de Eletrotécnica da escola. Não sei se você visitou todo o prédio, mas tem uma sala de aulas em forma de anfiteatro toda em madeira e um púlpito central para os professores, e que conta com uma acústica impressionante, não havendo a menor necessidade de equipamento de som. Este prédio foi construído em 1895, mais ou menos. A Igreja ao lado é de N. Sra. Auxiliadora, uma belíssima construção, hoje sub-utilizada devido ao esvaziamento das regiões centrais da cidade, além da queda de frequentadores católicos. Hoje predomina a freqüência de imigrantes bolivianos, paraguaios e até coreanos católicos.
    Num raio de no máximo 500 metros, O bairro é um grande reduto de História de São Paulo, como o Convento da Luz e Museu de Arte Sacra (prédio construído pelo Frei Galvão no século 18, localizado do outro lado da Av. Tiradentes, em frente à Poli), o Quartel da Polícia Militar (antiga Força Pública, com sua chaminé em alvenaria, com um amassado na parte inferior provocado por um tiro de canhão disparado da Penha em 1924 pelas tropas legalistas), Jardim da Luz, Pinacoteca do Estado (abrigou o Liceu de Artes e Oficios de S.Paulo, hoje localizado junto à Av. Do Estado), Estação da Luz, o prédio de um antigo seminário (hoje descaracterizado por estar ocupado por lojas na esquina da R.S.Caetano com Av.Tiradentes e a Igreja de S. Cristovão de 1856, o prédio da Faculdade de Odontologia da USP (hoje Oficina de Artes Três Rios) e bem em frente o Colégio Santa Inês, tradicional celeiro de professoras normalistas paqueradas pelos politécnicos.
    Desculpe-me esta intromissão com tantos detalhes, mas não consigo segurar meu entusiasmo ao esbarrar na minha própria história, desde os tempos de meus avós espanhóis e italianos que moraram lá.
    Um grande abraço e parabéns pelo novo livro!!!!!

    Um grande abraço

    JOCA

  2. marlene perez disse:

    Oi, amiga, como escreves bem! Estilo podado e jornalístico, claro. Parabéns!Obrigada pela solidariedade em silêncio, passagem da minha irmã, fatoconsumado, não há mais nada a fazer, está melhor do que nós.Percebo também que te encontras no Brasil e com este blog manténs uma boa relaçãosocial contigo e com o ambiente, agora de forma requintada, com nova visão de mundo.Mesmo sem perceber estás te ajudando e a muita gente.Até a próxima,Marlene

    Date: Mon, 24 Nov 2014 20:23:40 +0000 To: marlenevieiraperez@hotmail.com

    • O que vc lê e sente um certo enfaro é quando se trata de documento bruto retirado do arquivo.
      Daqui a uma semana lanço o livro, que pela primeira vez é literatura mesmo.
      Vc sabe que vai haver um pic-nic(dia 30/11) da escola onde trabalhamos juntas?
      Abraços, wilma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s