iecc-memórias- CCLVII – Natalina Rosatti: no meu livro, absolvida; na justiça, condenada!

28/07/14(OESP)

iecc-memórias CCLVII

Tribunal do Juri, sob a presidência do dr. Gastão de Mesquita.

O artigo descreve a presença de Natalina Rosatti, pronunciada no artigo 301, por haver, em princípios de maio do ano passado, na rua Florêncio de Abreu…

A coluna do jornal explora os fatos que romanceei no meu livro « Crime e Castigo na Escola Caetano de Campos » onde os envolvidos, Ananias Arantes, Alexandrina Arantes , René de Oliveira Barreto – nosso professor de psicologia e Natalina Rosatti passaram por situações melindrosas.

Evidentemente que no romance os nomes dos indiciados foram pastichados, exceto o de Natalina Rosatti, única a ser condenada com pena de cinco anos de reclusão celular, depois que todos os demais teveram sido inocentados pelo interesse moral das famílias paulista e paulistana.

Mesmo o professor dr Helladio Capote Valente, que devia defender dona Natalina, não caprichou muito no seu papel e, denegrindo tanto Alexandrina como a sua cliente, precipitou a segunda numa condenação máxima !!!

Comme quoi… a justiça brasileira não mudou muito nestes últimos cem anos !

SONY DSC

(o livro continua à venda na Livraria Cortez; peça-o pela Net e receba-o pelos correios; boa leitura)

CURIOSIDADE de ÚLTIMA HORA!

 

sábado, 17 de abril de 2010

Um dedinho de prosa com os alunos

 

Sou descendente de educadores. Meu bisavô, René de Oliveira Barreto, foi um pedagogo de destaque no início do século XIX, assim como seu irmão, Arnaldo Barreto, autor da Cartilha Analytica.  Minha bisavó, Rita de Macedo Barreto (na foto ao lado), escrevia livros de alfabetização para crianças e foi com isso que sustentou com conforto um batalhão de filhos depois da morte prematura do marido.
Mas a coisa não pára por aí. Minha avó paterna também era educadora, como todas as irmãs dela e várias de suas sobrinhas. Lecionava Educação Física, numa época em que a área engatinhava, e foi professora catedrática da Universidade de São Paulo lá pela década de 1930, talvez um pouco depois.
Quanto ao meu pai, não era professor. Era pesquisador científico, especializado em micologia. Eventualmente dava aulas na pós da Faculdade de Agronomia Luiz de Queiróz (USP) e, quando eu me atrapalhava muito na escola, ensinava-me Biologia. Contudo, fazia isso com uma paixão enorme. Tinha jeito para a coisa…
Mas nada disso tinha significado para mim na época em que pensava na carreira que escolheria. Quando menina, jamais sonhei em me tornar professora. Nem ao menos conhecia bem esse histórico familiar e, ainda que tivesse ciência dele, certamente não teria a menor atração por um campo profissional tão desvalorizado. Alimentava outros projetos: seria desenhista, publicitária…
Já às vésperas do vestibular, mudei de ideia e decidi que seria historiadora, que convinha mais a meu jeito bicho-grilo de ser e minha orientação política à esquerda do espectro ideológico. Terminei a graduação na USP, fiz mestrado em História Social, publiquei minha tese. Tudo caminhava bem para o início de uma promissora carreira acadêmica. Todavia, alguma coisa foi maior do que meus planos e conspirou contra eles…
Comecei a dar aula unicamente para ter algum dinheiro com que me sustentar. Era uma atividade que deveria ter começo, meio e fim. Não pretendia prolongá-la. Muito pelo contrário, planejava fazê-la o mais breve possível para alçar logo outros vôos.
Mas, quando me dei conta, estava absolutamente encantada pela sala de aula. Ali não existia rotina. Todo dia eu encontrava uma situação nova que me arrancava do insuportável risco de viver presa ao tédio da mesmice, pois a sala de aula se assemelha a um grande organismo vivo, gelatinoso, flexível, que a cada dia respira em um ritmo diferente e muda de forma. Aquilo me estimulava e desafiava. Exigia reflexão, criatividade, disposição para fazer tudo novo a cada manhã.
No fim, contra todos meus planos e projetos, tornei-me professora, como minhas primas, minha avó e meus bisavôs. Hoje, não me imagino fazendo outra coisa. Por isso, acredito que o amor pela Educação deva ter um componente genético qualquer. Está no sangue. É uma força que se exerce de dentro para fora, maior do que qualquer razão que possa nos aconselhar a seguir outro caminho, onde a remuneração e o reconhecimento público sejam melhores.

Anúncios
Esse post foi publicado em Publicações do jornal 0ESP desde 1894 sobre o IE Caetano de Campos. Bookmark o link permanente.

3 respostas para iecc-memórias- CCLVII – Natalina Rosatti: no meu livro, absolvida; na justiça, condenada!

  1. Maria das Dores Maziero disse:

    É possível informar o nome da bisneta de René Barreto e de Arnaldo de Oliveira Barreto? Meu interesse é acadêmico, pois desenvolvo pesquisa de Doutorado sobre Arnaldo Barreto.

    • Cara Maria das Dores; não conheço(ainda) essa bisneta.
      Se a sua pesquisa abrange toda a vida desses personagens, ficaria feliz se vc lesse o meu livro”Crime e castigo na escola Caetano de Campos”, que se encontra apenas na Livraria Cortez, ao lado do TUCA(SP).
      Abraços, wilma.

  2. Mariah disse:

    Maria das Dores, eu também não sei de quem se trata e fiquei curiosa. Vou perguntar pra minha mãe. Os Barreto da nossa família se concentravam na região de São Paulo (capital), Campinas e outras cidades do interior. Se quiser, mantenha contato! – mariah.gatti@gmail.com. Arnaldo era meu tio-tataravô, pois era irmão do meu tataravô, René Barreto, pai da minha nona (Na verdade bisavó). Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s