iecc-memórias – CCLXXXII – Visita de Souza Dantas a São Paulo, passando pela Escola da Praça.

28/03/1915(OESP) -resumo

 

Visita de Souza Dantas a São Paulo

                             Luiz-de-Souza-Dantashttp://www.ajpn.org/juste-Luiz-de-Souza-Dantas

Souza Dantas entreteve-se com o presidente da Província o dr. Rodrigues Alves, visitou vários políticos, como o deputado Vilaboim mas reteu-se na Faculdade de Direito onde uma solenidade o esperava; ali, o ministro Souza Dantas leu um longo discurso.
Suas visitas continuaram, tendo ido à Escola Normal da Capital às 15 horas e, recebido pelo diretor Oscar Thompson; visitou as salas do Jardim da Infância e assistiu a uma aula de música.

 

Levou dali bela impressão e continuou as suas visitas protocolares indo à residência do vice-presidente do Estado, o dr. Carlos Guimarães e do prefeito Washington Luiz.
A nata da nata paulistana(Rodrigues Alves pai e filho, a viúva de Campos Sallaes, dona Anna) jantou com ele na Rôtisserie Sportsman e ali ainda desfilaram os figurões acima mencionados neste resumo, além de outros .
(duas colunas na página do jornal)

E MAIS: aos 30/03/1915(OESP)
BRASIL-ARGENTINA
Entrevista com o nosso ministro na República Argentina, o SR. DR. LUIZ SOUZA DANTAS

Relato resumido:
Duas enormes colunas, com foto do ministro plenipotenciário servem para informar o leitor da sua visita de dois dias a São Paulo, em procedência do Rio, de onde voltou para Buenos Aires.
O jovem ministro encontra-se no posto platino há 6 anos e decide os impasses de vizinhança entre os dois países, que parecem-me ser grandes.
Na sua estadia à São Paulo, objetivou-se o seu encontro com os estudantes da Faculdade de Direito, mas ele também visitou amigos, jornais e a Escola Normal da Capital .

CURIOSIDADE:

 http://jokker72.blogspot.fr/

 

A História do Brasil registra feitos de muitos heróis: heróis de guerras, heróis que morreram em defesa da liberdade do nosso país. Contudo, ainda hoje, existem outros tantos heróis desconhecidos que nos merecem todas as honrarias.
É possível que poucos ou nenhum de nós tenha ouvido falar a respeito de Luiz Martins de Souza Dantas; seu nome, em verdade, não figura em nenhum livro-texto de História do Brasil.
Descendente de uma das mais ilustres famílias do Império, após seguir uma apreciável carreira política, por vários anos, dentro e fora do Brasil, foi nomeado Embaixador na França.
Apreciador das artes, da música, é descrito como uma alma nobre e generosa.
Anfitrião impecável dos brasileiros em Paris, era também um grande filantropo, disposto a ajudar todos os que passaram por sua vida.
Diplomata experiente, dotado de grande inteligência e perspicácia, Dantas circulava entre os mais altos e restritos círculos diplomáticos.

Cedo compreendeu a catástrofe, prestes a se abater sobre a Humanidade, com a ascensão do nazismo; dizia ser aquela uma época de trevas e de barbáries.
Quando eclodiu a Segunda Guerra Mundial, o Itamaraty já havia baixado uma série de leis e circulares, dificultando a entrada, no Brasil, de pessoas de raça semítica.
Souza Dantas, apesar dessas proibições, decidiu agir de acordo com sua consciência, conseguindo passaportes e assinando pessoalmente os vistos.
Entre as cerca de 800 pessoas, 425 delas de origem judaica, que entraram no Brasil, graças a Dantas, algumas viriam a ter destaque na vida brasileira, como o ator e diretor teatral Ziembinski.
Em novembro de 1940, o Embaixador Dantas foi advertido pelo Itamaraty, pelas suas concessões. Ele continuou a expedir vistos, com datas retroativas, de forma a serem anteriores à instrução.
Em 1942, Dantas enfrentou a Gestapo. Ele e os demais membros da representação brasileira, em Vichy, na França, foram confinados, em condições precárias, por catorze meses.
Por sua ousadia, mesmo concluída a guerra, foi relegado ao ostracismo diplomático, pelo governo brasileiro.
Somente depois de dezembro de 1945, ele seria nomeado para chefiar a delegação brasileira na ONU.
Morreu pobre e abandonado, em um humilde quarto de hotel, em Paris, em 1954.
No ano de 2003, seu nome foi inscrito no Museu do Holocausto, em Jerusalém, como Justo entre as nações, por seu empenho pessoal na emissão de centenas de vistos, durante os anos mais duros da repressão nazista na Europa.
O homem que pôs em risco sua carreira e sua vida, que desafiou nazistas na Europa e políticos no Brasil, recebeu a medalha póstuma, por seus méritos.
Ele merece brilhar na galeria universal dos heróis do século vinte.
O historiador Fábio Koisman não esconde sua admiração pelo personagem que decidiu desvendar, há seis anos. Conversando com a documentarista Kátia Lerner, que ajudava na coleta de entrevistas de sobreviventes do Holocausto para a Fundação Shoá, do cineasta Steven Spielberg, decobriu que o Brasil teve seu próprio Oscar Schindler – o empresário que salvou 1.200 judeus durante a guerra.
No caso brasileiro, tratava-se de um diplomata: Luiz Martins de Souza Dantas (1876-1954), embaixador do Brasil na França de 1922 a 1944. Assinando pessoalmente vistos e passaportes diplomáticos, Souza Dantas salvou comprovadamente 500 pessoas. Mas o número pode passar dos mil.
– Sua humildade e humanismo fizeram com que o embaixador não deixasse muitos documentos – conta Koifman, diretor de pesquisas da Universidade Estácio de Sá.
”Fiz o que teria feito, com a nobreza d’alma dos brasileiros, o mais frio deles, movido pelos mais elementares sentimentos de piedade cristã”, diz Souza Dantas, ao explicar por que dava os vistos, num dos 7.500 documentos arquivados por Koifman.
O embaixador, que não figura em nenhum livro de História brasileiro, foi reconhecido no dia 2 de junho, pelo Museu do Holocausto de Jerusalém (Yad Vashem), como Justo entre as Nações. Só quem preenche pelo menos uma de três condições merece o título concedido pelo museu: arriscar cargo e posição social, arriscar a própria vida e salvar um número expressivo de pessoas. O diplomata não arriscou sua vida, mas quase perdeu o emprego e o status por assinar centenas de vistos para perseguidos do nazismo na França ocupada.

Anúncios
Esse post foi publicado em Publicações do jornal 0ESP desde 1894 sobre o IE Caetano de Campos, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para iecc-memórias – CCLXXXII – Visita de Souza Dantas a São Paulo, passando pela Escola da Praça.

  1. luiza maria soares disse:

    Brasileiros como ele, que corajosamente se arriscaram pelas vidas de outras pessoas deveriam ser mais divulgados e mereciam maior destaque em nossa História. Obrigada, Wilma, por colocar esse artigo tão importante e revelador . Não sabia que tínhamos um nome tão admirável como Schindler entre nós. E, parabéns para o historiador Fábio Koisman… Quem sabe a GLOBO não faça uma minissérie com tão bela e heroica história….
    Um Abraço, Wilma ! Beijos ! e, parabéns!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s