iecc-memórias PARTE II – Outubro de 1926 e a Escola Normal da Capital.

Queridos leitores:

Enquanto o cronista do jornal O Estado de São Paulo, dr. Renato Jardim, antigo diretor da Escola Normal da Capital, –  provavelmente afastado da direção devido ao nefasto roubo que um aluno almofadinha fez,  subtraindo 10 mil réis do paletó de um camarada e que ainda ganhou o processo bem defendido pelo ilustre  advogado, o deputado dr. Marrey Jr.  – se descabela para dizer ao mundo que o projeto da ENC como irradiador do conhecimento caira pela ladeira abaixo, inclusive criticando antigos colaboradoes americanos, o colégio Villalva faz publicidade para seus cursos particulares, seguindo a mesma linha do Lycée Français e da Escola Bilingue da professora “Mary”(Maria) Buarque, filha de Cyridião Buarque, onde elementos formados e atuando na ENC preferem se dedicar ao ensino de qualidade fora dela; a isso se chama fuga de cérebros…

Não bastasse o grande  conjunto de outras escolas, no mercado desde uma década, como o Externato Elvira Brandão(a melhor aluna de sua turma no normal da ENC) terem pouco a pouco puxado a população mais rica de São Paulo para si, agora vemos surgir o que foi uma verdadeira instituição do ensino privado na Capital: o Colégio Rio Branco; isso mesmo!

O colégio em questão sempre se dedicou ao ensino das elites; e quem criou o Rio Branco, senão os mestre mais conhecidos da nossa escola nos anos 20?

Transcrevi o “reclame” que saiu algumas vezes no jornal OESP para que vocês possam conferir os nomes dos ilustres mecenas e professores.

Abraços fugidos,

wilma.

09/03/2016.

 

01/ , 03/ e 13/ 10/1926 (OESP)

Publicidade do Collegio Villalva

05/10/1926(OESP)
Renato Jardim escreve sobre a Cartilha Proença e faz um apanhado do ensino da leitura em São Paulo, apoiado sobre o método analítico, desde que Miss Brown e Horace Lane se inclinaram para resolver o critério do método de leitura a ser aplicado nas escolas públicas de São Paulo.
Todas as suas palavras chegam ao final feliz da sua ideia geral: em S. Paulo, o analfabetismo é grande problema da população!
E
Aniversaria o vice-diretor da ENC sr.professor João Britto Baptista.
14/10/1926(OESP)
Lyceu Nacional Rio Branco
Sede – rua Maria Antonia, 52, SP
A sociedade”Lyceu Rio BrancoLta”, que se organizou por escritura pública de 25 de setembro último, em notas do 5° Tabelião, desta capital de São Paulo, e com o capital social de 1.000:000$000-mil contos de réis) , para a fundação de estabelecimentos de ensino primário e secundário, tem o máximo prazer de anunciar, desde já, a incorporação ao seu patrimônio, do modelar estabelecimento de ensino “Instituto Rio Branco” , desta capital, que sob a denominação de “Lyceu Nacional Rio Branco”, será o seu primeiro estabelecimento a funcionar.
O “Lyceu Nacional Rio Branco” terá o mesmo espírito de organização do reputado Instituto de que tira o nome e a que sucede sem nenhuma solução de continuidade. Sua direção caberá aos srs. Savério Cristofaro(atual fundador e diretor do Instituto, e professor adido à Escola Normal ) e Bergstrom Lourenço Filho, lente pedagógico da Escola Normal da Capital;
(…)
São Paulo , 13 de outubro de 1926.
Dr. A. De Sampaio Doria
Dr. Roldão Lopes de Barros
Dr. A. Ferreira de Almeida Jr.
Dr. Henrique Bayma
Prof. Severo Cristofaro
Prof. Bergstrom Lourenço Filho
Prof. Guilherme Merbach.

Afficher l'image d'origine(Brochura do Colégio Rio Branco)

29/10/1926(OESP)

(Atletismo)
Federação Paulista de Atletismo
Torneio Colegial
Torneio Regional
Promovido ela Liga de Amadores de Futebol e patrocinado pela Federação Paulista de Atletismo, será realizado depois de amanhã , às 8 horas, no campo do Paulistano, um festival atlético entre escolas inscritas no campeonato colegial daquela entidade.
(…)

Afficher l'image d'origine(1932 – thiagosouzarosa)

 

Árbitro: Alberto Byington Jr.
Sgue os nomes de todos os convocados, inclusive:
Escola Normal
Luiz Thadey Haller e Octavio S. Vianna(corrida de 100m), Duilio Marone e Octavio Vianna(salto em extensão) Duilio Marane (salto em altura) ; Duilio Marone e Herbert Levy(arremesso de disco); Herbert e Horold Levy,e Octavio S. Vianna(natação).

DS: Dialogos do Sul-A primeira-dama de SP, dona Leonor de Barros (cent.), ladeada pelos deputados Herbert Levy (últ. à dir.) e Cunha Bueno (penúlt. à dir. na Marcha com Deus, pela familia,  de 64)
Anúncios
Esse post foi publicado em Parte II- Caetano de Campos - O QUE FOI PUBLICADO SOBRE A ESCOLA NORMAL A PARTIR DE 1920. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s