Os encantamentos do mago Lourenço Rodrigues…

Foi no ano de 1959 que conheci o Pedrinho.

A fada Lúcia Helena oficiava, então, no castelo da Praça da República e ali realizava suas magias entre os gnomos, ondinas e pequenos gênios que se encontravam sob sua direção  para aprender ou fazer arte.

No fundo do seu vasto e eclético laboratório, à direita, havia um armário repleto de produtos mágicos, distribuídos para a execussão de certas cerimônias secretas.

Era a fadinha Cláudia  ou sua acólita Vânia quem entregavam a cada um de nós as poções necessárias para que o feitiço pudesse se concretizar, tendo como resultado o reconhecimento de certas fórmulas mágicas anotadas no livro do Mago Lourenço*, desejoso de nos converter em verdadeiros especialistas na arte de operar a manipulação daquelas encantantes receitas.

No começo as decifrávamos com certa dificuldade, mas depois a hesitação desaparecia gradativamente, porque a fada-maior usava um guia interestelar que lhe servia à transmissão de certos poderes mentais. Com isso, bastava que lêssemos o começo de cada fórmula para que imediatamente compredêssemos o que ela significava; e compreendíamos logo a combinação daqueles signos envolventes e podíamos refazer a magia com todos os  seus segredos ultrapassados, sem sequer precisar do uso da varinha…

 

                                    Afficher l'image d'originebr/faced/extensao/memoria/cartilhas

Outra fada, maga Azilde Andreotti, descobriu um lugar estranhamente denominado  ACERVO HISTÓRICO DO LIVRO ESCOLAR, que gurada todas essas receitas de alquimia,  formado pelo conjunto de livros mágicos para pequenos duendes, provenientes das antigas bibliotecas públicas infantis da cidade de São Paulo.
O acervo, com 5 mil volumes, é composto por cartilhas, manuais escolares de todas as matérias de ensino, antologias literárias e livros de referência de uso escolar, entre outros, do século 19 até a década de 1980 e abrange os cursos primários, os secundários, os de formação de professor e o ensino técnico.
Está disponibilizado para pesquisadores e interessados na Biblioteca Monteiro Lobato, equipamento da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Chegue logo antes que a bruxa malvada espolie também essa caverna!

 

*J. B. Lourenço Rodrigues.

Anúncios
Esse post foi publicado em Expressão livre: textos dos leitores. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s