Ao mestre herói (Bolg do José Renato Nalini)

 

Ao mestre herói

O Dia dos Professores costumava ser um dia especialíssimo nos meus tempos de estudante. Quando criança, o presente era individual. Cada mãe fazia com que seu filho homenageasse a professora da maneira a mais carinhosa. Isso prosseguia no ensino médio e, na universidade, havia disputa na classe para escolher quem é que saudaria cada mestre.Hoje, o professor merece muito mais. As crises – e a pior não é a econômico-financeira – tornaram certos círculos menos polidos. Nem sempre se demonstra respeito, ternura ou gratidão, como certas personas merecem. Uma delas, inequivocamente, é o mestre.

Uma criança que chega pela primeira vez à sala de aula é uma tábula rasa. Alguém que edificará uma história de vida a partir dos ensinamentos de quem, com paciência e devotamento, é responsável por modelagem do perfil de aluno. Somos alunos, queiramos ou não, por toda a vida. Mas levamos a marca dos primeiros professores.

Ensinar é um desafio quando se cuida de gerações de circuitaria neuronal digital, enquanto ainda somos de circuitaria analógica. O conhecimento está disponível e a educação informal é mais intensificada do que a formal. Aprende-se – ou desaprende-se – com velocidade maior junto aos círculos de interferência a que estamos submetidos. A criança, então, chamada a participar da esquizofrenia das multimídias, que sabe fotografar, usar aplicativos que falseiam a realidade, que tem acesso ao mundo mágico das redes, se transforma continuamente. Para o bem e para o mal.

Ser professor no século 21 é missão dificílima. Concorre-se com inúmeras fontes a jorrar conhecimento, algumas delas verdadeiramente fascinantes. Como competir com o facebook, com o instagram, com o twitter, com todos os outros atraentes instrumentos de monopolizar a atenção e o tempo da infância e da juventude?

É por isso que os pais, primeiros mestres, principalmente a mãe, mestra das mestras, deve insistir no currículo oculto das palavras mágicas: muito obrigado, por favor, perdão, com licença. E treinar para o dia 15 de outubro, Dia do Professor, uma frase de carinho para esses verdadeiros heróis que têm a missão de transformar o mundo. Pois transformam nossas crianças e estas, sem dúvida, transformarão o mundo.

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 13/10/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios
Esse post foi publicado em Expressão livre: textos dos leitores. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s