Carnaval brasileiro; a carne é fraca!

(wilma schiesari-legris)

De onde vem a palavra “Carnaval”?

No latim aparecem duas expressões:

Carnem-levare , que significa o abandono da carne durante as sextas-feiras da Quaresma

e

 Chair-vale,  que significa «Adeus à carne», como podemos ver na tela abaixo onde o pintor Pieter Bruegel,  o Velho, em 1559, retratou A luta entre o Carnaval e a Quaresma.

http://2.bp.blogspot.com/-Or72dcbgECo/UvIsfXeOTHI/AAAAAAAAOyg/oVWuCGy1H3k/w1200-h630-p-k-nu/A+LUTA+ENTRE+O+CARNAVAL+E+A+QUARESMA+(1559)+%E2%80%94+Pieter+Bruegel+(1564-1638)+%E2%80%94+Kunsthistorisches+Museum,+Viena.jpg

Image associée
Über 1000 Ideen zu; Peintre Hollandais auf Pinterest – Pieter Bruege,l o Velho, A luta entre o Carnaval e a Quaresma, 1559,

 

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/db/6d/c7/db6dc74140998b77010fd33cf2e3af56.jpg

https://ieccmemorias.files.wordpress.com/2017/02/a061c-bruegelpormenor11.png?w=1348&h=657

No hemisfério Norte, antes da chegada da Idade Média e a presença pesada do cristianismo no mundo ocidental,  o Carnaval era uma festa pagã, comemorando o fim do inverno e trazendo consigo a esperança  da chegada da primavera, portadora de  grãos e legumes para alimentar as populações rurais e urbanas que estavam à míngua.

O Carnaval de Veneza permitiu à sua elite de ir às ruas se acanalhar com os populares do andar debaixo, usando ela as maravilhosas máscaras que conhecemos, para não ser identificada.

O Clero encontrou a solução para aguentar a penúria de alimentos e para  “moralizar os costumes”, associando o período de vacas magras a certos episódios da vida de Jesus e fazendo referência a um período anterior à Sua ressureição marcado pela  abstinência sexual. Dizem que na França, era o momento onde a concepção  fazia-se muito aumentada.

Era o mi-câreme, o meio da Quaresma, que o povo baiano batizou de Micareta!

Então, 40 dias antes da Páscoa, a “carne” nos era proibida (lato e strito sensu), para que nos arrependêssemos de nossos pecados esperando a redenção divina:

“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”. (Mt. 26:41) 

Na Europa os governantes também perceberam que as tensões sociais poderiam ser amenizadas com a catarse de um bom “entrudo” e permitiram que as pessoas saíssem às ruas para “atacar seus inimigos de classe”, que por sinal se defendiam, tal qual seus contendores, com jorros de água e outros líquidos menos neutros ou nobres utilizados pelos combatentes.

Quando a Missão Francesa chegou ao Brasil em 1808 – (Obrigada, senhor Napoleão por ter invadido Portugal, senão ainda teríamos continuado a ser “colônia” portuguesa), trouxe consigo tanto a festa do “entrudo”, como artistas talentuosos que a representaram.

                        A prática carnavalesca do entrudo (Mundo Educação)
Jean-Baptiste Debret (1768-1848) retratou a prática do entrudo durante sua estadia no Brasil através da gravura acima.

 

Résultat de recherche d'images pour "entrudo brasil"
(Almanaque cultural brasileiro e  Blog do Eliomar)

A República, que dava aos cidadãos a igualdade (ma non troppo!) perante a lei desde 1889, permitia que eles se manifestassem comportadamente;  a inventividade do povo desaguou nos blocos de rua e nas marchinhas que fazem parte do nosso patrimônio cultural e a largueza pecuniária dos ricos nobres e dos rastaqueras, durante a demonstração pública da sua situação de classe, com seus automóveis de luxo, fazendo como se a Avenida Paulista se parecesse à Promenade des Anglais, de Nice, durante o Carnaval!

(Iba Mendes – 1918; Av.Paulista)
Le carnaval de Nice dans les années 1900.(Wikipédia – Nice;  1900)

A Embratur, que conhecia o Carnaval internacionalmente mais famoso do Brasil, no Rio, excluiu do programa os desfiles quase empíricos e muito reais e imperias das Escolas de Samba onde todo mundo do andar debaixo podia virar marquês ou marquesa e até os quase reais marquses, representantes da elite branca e fantasiados de rei, desfilavam, à parte, no Teatro Municipal.

Foi criado o Sambódromo.

 

Résultat de recherche d'images pour "bundas e peitos carnaval"visão política

Hoje as Escolas de Samba para garantirem a viabilidade do carnaval com selo de exportação para o mercado internacional, abeiraram-se da Embratur e de outros órgãos paralelos para criar a festa de Carnaval mais espetacular do planeta, com a mulher-objeto siliconada por natureza, representando a beleza feminina do Patropi.

Aos olhos do mundo, são todas como uma certa marca de cerveja, perigosas e gostosas, livres de mostrarem seus esculpidos corpos, prontas para serem consumidas sem moderação.

Yes, nós temos banana!

Enquanto isso no Planalto… os chefes-de-bateria apitam sossegados  longe do “carnaval” de ilegalidades que assola o país.

Anúncios
Esse post foi publicado em Expressão livre: textos dos leitores. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Carnaval brasileiro; a carne é fraca!

  1. MUITO BOM, WILMA , MUITO BOM !!!!!!!!! ÓTIMO !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s