Arquivo do mês: março 2017

1884 (b) – 2° Trimestre – José E. Corrêa de Sá e Benevides, diretor interino da Escola Normal.

Abril 1°/04/1884 (APSP) No expediente da Câmara: De Antonio Victor de Macedo, professor da Escola Normal, pedindo licença para frequenter as aulas da faculdade. 18/04/1884 (APSP) Pestalozzi(undamentos – blogge) Um novo periódico órgão dos alunos da Escola Normal, intitulado  ” … Continuar lendo

Publicado em A história da Escola Caetano de Campos | Deixe um comentário

Nosso colega, Renato Castanhari Jr., voltou a cronicar!

A CARNE É FRACA? por Renato Castanhari Jr. A carne é fraca. Até aí, nenhuma novidade. Mas isso não implica que o espírito seja podre. Passamos a vida buscando justificativas para as nossas deficiências, carências, subserviências. E o prazer momentâneo de … Continuar lendo

Publicado em Expressão livre: textos dos leitores | Deixe um comentário

1884 (a)-1° Trimestre – Paulo Bourroul pede exoneração da Escola Normal.

Queridos leitores; no período do Império, muitos despachos foram recebidos na administração provincial de São Paulo, provindos de candidatos à entrada na Escola Normal e até ao título de “normalista”, tentando passar por outras vias que o redutável exame… Problemas … Continuar lendo

Publicado em A história da Escola Caetano de Campos | Deixe um comentário

1883 (c) – 2° Semestre – Normalista cria escola chique para paulistanas ricas.

29/09/1883 (APSP) Licença de um mes concedida à professora adjunta à Escola Normal, Amelia de Oliveira Carvalho (havia pedido 2 meses)   NOVEMBRO   07/11/1883 (APSP) Agradecimento publicado no jornal aos doutores Antonio Caetano de Campos e a Gad,  pela … Continuar lendo

Publicado em A história da Escola Caetano de Campos | Deixe um comentário

Primavera de netos! A arte de ser avô (ó) neste mundo!

(Chedi) (M. Luiza Krempel)   (Elô Casagrande) (M. Augusta Motta) (Verinha Rosito) (Priscila Ferraz) Queridos leitores; (primeiro dia de primavera aqui no norte; outono para vocês…) Apesar de raramete escrever no canal do Mark Zuckerberg, folheio ali a felicidade alheia … Continuar lendo

Publicado em Fotos | 4 Comentários

Amigo é coisa para se guardar a sete chaves.

Amigo é coisa para se guardar a sete chaves Myrthes Suplicy Vieira (*) publicado no blog BrasilDeLonge do caetanista José Horta Manzano (mundo das mensagens) Amigo é aquele que… Nem se dê ao trabalho de completar a frase, identificando as qualidades … Continuar lendo

Publicado em Expressão livre: textos dos leitores | Deixe um comentário

Leopoldo e Cândida Rizzo recebem em sua casa.

Queridos leitores; à mesa queijos e vinhos para ninguém botar defeito graças ao MCC (Movimento Coma em Casa). Aproveitem para observar ao fundo da sala de jantar o alto-relevo feito com cubos de madeira idealizado e realizado pelas mãos do … Continuar lendo

Publicado em Atualidades | Deixe um comentário

Dalton Sala, nosso colega, convida vocês a uma bela exposição!

  CARTOGRAFIAS AFETIVAS É notável como alguns daqueles que se estabelecem em um país estrangeiro desenvolvem uma curiosidade e um carinho pelo seu novo lugar, superando os nativos que lá nasceram e não se dão conta das maravilhas que os … Continuar lendo

Publicado em Atualidades | Deixe um comentário

A “Intolerância” vista pela colega Myrthes Suplicy Vieira

Intolerância Myrthes Suplicy Vieira (*) Há poucos dias, uma bolsista negra da Fundação Getúlio Vargas foi afrontada, durante um evento esportivo organizado dentro da fundação por uma pessoa – provavelmente um aluno ou membro da instituição –, com os seguintes … Continuar lendo

Publicado em Expressão livre: textos dos leitores | Deixe um comentário

1883 -(c) – 3° trimestre. Segundo Rangel, “Parece que a convicção mais geral é esta: os bons padrinhos decidem de tudo. «

JULHO 1883 04/07/1883 (APSP) (resumo e trechos) Rangel Pestana assina a coluna editorial do jornal A Província de São Paulo, novamente tratando da Instrução Pública, que em vez de discutir e votar a reforma da Instrução prefere a esmo  criar … Continuar lendo

Publicado em A história da Escola Caetano de Campos | Deixe um comentário